Por que o autoconhecimento é o maior investimento

Um investimento é, de modo geral, uma ação em que aplicamos recursos a fim de obter algo. Investir é uma ação que realizamos de vários modos, de acordo com nossos recursos. Por exemplo, quando passamos um tempo dedicando-nos a uma atividade ou a servir a uma pessoa, estamos investindo recursos, como: tempo, atenção, inteligência, conhecimento, afetividade.

No caso de investirmos tempo, dinheiro e conhecimento em função de uma atividade, podemos considerar que o retorno serão valores monetários. Já investir tempo, atenção e conhecimento para servir a uma pessoa pode oferecer-nos, como retorno, reconhecimento afetivo do outro. Há muitas formas de se investir, tanto quanto há muitas formas de recursos.

Certamente um dos investimentos determinantes para a continuidade e desenvolvimento da espécie humana foi a capacidade de conhecer. Em um cenário tão inóspito, perseguidos por predadores mais fortes, o ser humano conquistou as savanas e todos os continentes do planeta pela capacidade de conhecer o desconhecido.

Conhecer foi, essencialmente, um modo de sobreviver aos perigos desconhecidos que nos rondavam na primitividade, tanto quanto nos rondam ainda hoje de outras formas.

Basicamente, conhecer é uma relação entre o sujeito e o objeto. Em toda construção de conhecimento há uma relação entre o sujeito que conhece e o fenômeno que se deseja conhecer, produzindo um conteúdo que nos permite entender, por exemplo, o que é ou como funciona o objeto de nossa investigação.

Por exemplo, conhecer e descrever os ciclos das estações do ano possibilitou-nos a agricultura e, como retorno, um grande passo quanto à qualidade de alimentação e controle de recursos para sobrevivermos em todos os períodos do ano. Ou, por exemplo, conhecer como funcionam certos comportamentos humanos nos permite lidar com desequilíbrios emocionais que impactam, também, a área fisiológica.

Visto deste modo, a capacidade de conhecer tornou-se um excelente recurso de investimento para a sobrevivência física e emocional humana. Como retorno, criamos a humanidade inteira em seus mais variados setores sociais: economia, saúde, educação e tantos outros. Que recurso magnífico, não é!?

Em vista dos argumentos apresentados, como podemos afirmar que o autoconhecimento é o maior investimento? Conhecer é certamente uma grande potência e recurso humano. Investir tal recurso permitiu-nos aprender a gerenciar fenômenos da natureza e, possivelmente, o maior retorno sinaliza-se pela nossa permanência no planeta. Isto é, sinal da capacidade de sobrevivermos a todas as ameaças apresentadas até agora.

Contudo, o que fazer quando a ameaça se encontra em nossa intimidade? O que fazer quando o desconhecido se encontra em nós? O que fazer quando sentimos e somos tomados por reações emocionais (ou de natureza mais profunda) que nos saltam de dentro, de nossa intimidade, colocando-nos em situações que não imaginávamos capazes de realizar ou que nos constrangem após prometermos não mais realizá-las?

Nesse ponto, o desconhecimento, como um fenômeno de nossa intimidade, nos coloca a necessidade de outra forma de conhecer. Exatamente porque, nesse caso, o sujeito é, ao mesmo tempo, o investigador e o objeto de investigação.

Se conhecer é o mais eficiente recurso da espécie humana, o autoconhecimento (enquanto um processo que só pode ser realizado pelo próprio sujeito nele mesmo) é o recurso da unidade humana, no qual investimos inteligência e sensibilidade para conhecermos e aprendermos a gerenciar fenômenos internos.

Não se trata, neste caso, apenas de uma capacidade que nos permite sobreviver a nós mesmos ou à nossa intimidade, é muito mais, é recurso para aprendermos a viver de nossa própria intimidade. E, como retorno, sermos capazes de reconhecer que há vida interior, de conhecer o funcionamento de nossa interioridade, de desenvolver interesse por nós mesmos, tanto quanto um comportamento auto-observador, aprender a antecipar reações-respostas que nos constrangem profundamente, a estabelecer um processo de autoaceitação, aprender a alterar a forma como vemos a nós mesmos e a vida de que fazemos parte e, certamente, elaborar um plano de vida que nos faça sentido.

Portanto, por que o autoconhecimento é o maior investimento? Porque, investir-se, como o texto enunciou no primeiro parágrafo, é, de modo geral, uma ação em que aplicamos recursos a fim de obter algo, então essa ação é singular, única, porque autoconhecimento só pode ser investido e realizado por cada um em si mesmo. É recurso porque a capacidade de conhecer a si mesmo gera retornos compatíveis com a natureza do investimento, ou seja, autopertencimento, autogestão, autoconsciência.

E o que seria mais digno, único e magnífico de se alcançar senão a si mesmo? Quer conhecer uma proposta séria de autoconhecimento? Clique aqui e saiba mais!

2 comentários em “Por que o autoconhecimento é o maior investimento”

  1. Adalberto Quirino Silva

    Excelente estímulo para continuarmos investindo no desenvolvimento de autoconhecimento! Parabéns pelo ótimo trabalho de esclarecimento às inteligências humanas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima