Experiências contadas em poesia

Claudia_1No 1º Congresso de Educação de Essencialidades, realizado em Bauru, na primeira semana de julho, a educadora Cláudia Carvalho (NA-BRU) apresentou-nos um sensível poema de sua autoria, e aqui revela, em síntese, a experiência do que a levou ao ato da criação.  Confira!

 

Chega o dia em que cada um é conclamado, por uma força interna, a  percorrer os escaninhos de seu mundo íntimo e a devassar  seu inconsciente.

Abre-se,  então,  uma clareira  e, do mirante mediúnico, é possível observar e recontar sua história. Uma história que traz notícias e fragmentos da história humana.

Nela não há monstros, nem fantasmas, tampouco assombrações ou aberrações de uma noite escura.

Nela encontra-se a forma de ser e viver de uma espécie: seus padrões, mecanicismos e submissões.

E na compreensão da plataforma de manifestação humana é possível dela servir-se para objetivos atingir.

Onde outrora a obscuridade, nasce  o caminho do entendimento.

Onde a dor de ignorar, surge a presença de si mesmo!

Vai inteligência, desbrava teu universo interior, 

Penetra nos escaninhos da tua história,

Transpõe teus medos e crendices, e desmitifica os fantasmas infantis.

Atravessa a noite escura do desconhecimento

e ousa acender os clarões de uma vida autoconsciente, apta a dirigir a si mesma.

 

Os caminhos da busca por si mesmo!

Claudia_2Por volta dos meus 35 anos, vivenciei uma crise de insatisfação e ausência de sentido. Senti-me perdida em meio a inquietações e sintomas para os quais não encon-trava explicação. Surgia uma necessidade ainda não nomeada: conhecer-me. E quando surge a necessidade, nasce o movimento. Um movimento que me reuniu a outros tantos seres que também desconheciam a própria necessidade, mas sentiam sinais e sintomas que os arremessavam à busca de algo ainda inédito: à busca de si mesmos! Fomos tateando, reconhecendo e identificando as próprias necessidades e direcionando nossas buscas.

No caminho, deparei-me com a criança que fui e quedei-me à necessidade de percorrer os escaninhos de minha história, desvendando e enfrentando os fantasmas e monstros da infância, devassando a pessoa constituída em tenra idade para compreender a humana-idade. A jornada para fazer-se presente frente à existência e assumir, autoconscientemente, a direção dela é árdua. Vencer a cegueira e sair da obscuridade de si mesmo leva tempo e exige disposição reiterada.

Claudia_3Nestes doze anos de caminhada tenho aprendido a sensibilizar-me pela dor que a ignorância produz. O desenvolvimento da capacidade de me observar oportunizou um olhar mais atento para outros tantos amigos,  em meio a suas próprias buscas e transposições, e do mais profundo de mim mesma nasce o reconhecimento a cada um que ousa desvendar-se e inicia sua jornada para acender os clarões da autoconsciência. Dedico este poema a estes bravos guerreiros que ousam travar a sua maior batalha: desvendar seu mundo íntimo.

Cláudia Carvalho – NA-BRU

3 comentários em “Experiências contadas em poesia”

  1. Ansiei rever essa poesia. Pram mim ela é uma evidência de que as (os) Poetas são observadores de abismos humanos. Principalmente quando ela nos convida a observações mais profundas na obscuridade lotada de fantasmas e monstros. Minha gratidão a você Poeta Cláudia por contribuir significativamente para que eu aprendesse a perceber na obscuridade, antes cheia de fantasmas e monstros, um silêncio inquietante. E em tal silêncio aprender a começar a ouvir necessidades de um infanto antes não considerado. Parabéns Poeta!

  2. Obrigada, pelo estímulo em também em forma de poesia.Minha gratidão Sempre querida Claudia .Pelo grandioso trabalho Que veem desenvolvendo.Abraços.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima