Histórico

Há algum tempo, iniciamos alguns movimentos para levantar os dados relevantes do histórico do atual Núcleo de Aprendizagem de Bauru, mas por conta do hábito de procrastinar, essa movimentação não produziu mais do que a reunião de vários documentos.

Agora o estímulo efetivo da COMGE trouxe novamente a tarefa à baila e confesso que inúmeras abordagens foram tentadas, mas se mostraram inadequadas, nenhuma satisfazendo integralmente minhas concepções de qualidade.

Essa semana, em plena caminhada, a inspiração veio clara como o dia de outono, soprada fortemente pelo vento sul: O Indivíduo – sem ele nada teria sentido.

Comecei por mim, essencialidade que se manifesta como Iracema – a primeira vez que estive em Presidente Prudente, para um Encontro de Evangelização de Espíritos foi a convite da Silvia Rapozo, que por sua vez havia sido convidada pela Cleide Rosa.

Seguindo essa linha soube que os caminhos que nos trouxeram até aqui, começaram a cruzar-se em 2002 quando os grupos de Presidente Prudente e Bauru reuniram-se em Penápolis - SP, para a 1ª Prévia da Comenoesp – Confraternização das Mocidades Espíritas do Noroeste do Estado de São Paulo – mais especificamente nas manifestações das inteligências que conhecemos como Marlete Moreira e Wanderley Rosa.

A partir do convite da Marlete, um pequeno grupo reunido por Wanderley participou, em janeiro de 2003, do 2º Encontro de Evangelização de Espíritos de Presidente Prudente – “Eu, um programa de amor”.

Depois da Comenoesp em reunião com todos os coordenadores do evento, Marlete solicitou a pedido da inteligência extracorpórea que se manifesta como Carlos uma reunião em Presidente Prudente no dia 18 de maio de 2003.

Nessa oportunidade, Cleide e Wandê, entre outros integrantes da Monitoria de Bauru, assistiram pela primeira vez a manifestação mediúnica, que se tornaria tão habitual, para nós, na continuidade. A individualidade extracorpórea que se manifesta como Dr. Carlos disse que veio “para lembrar a todos o compromisso assumido”.

Convidados pela Mocidade Geral de Bauru, Marlete e Lucas Costa mensalmente iniciaram o trânsito entre Presidente Prudente e Bauru para os estudos de Monitoria e semestralmente o trânsito se invertia para os Encontros de Evangelização de Espíritos em Presidente Prudente.

Aos poucos outros seres foram sendo atraídos para o movimento que se caracterizou pela independência, já que os jovens vinham de várias casas diferentes, assim como seus pais e convidados.

A partir de 2003, começamos – Cláudia Carvalho, Cleide, Ester e Iracema - a beber a Evangelização de Espíritos da fonte de Sacramento/MG, participando dos Seminários no Colégio Allan Kardec, juntamente com Marlete e Lucas.

Em 2004, em Sacramento, Ester Maia convidou Alzira Bessa França Amui – sobrinha neta de Eurípedes Barsanulfo para realizar um encontro em Bauru, que foi divulgado como um “divisor de águas” por alguns. Previsão que se cumpriu quando a pia da cozinha caiu e uma cascata se formou na parede do palco, originada por uma bóia defeituosa na caixa d’água da chácara alugada para o evento, que reuniu perto de 100 pessoas (?).

Por esta época, nos reuníamos onde era possível: no Centro Espírita Irmã Catarina, na casa da Ester, no Centro Espírita Luz Divina…, com a finalidade de estudar os conteúdos dos Encontros e também para as visitas mensais da Marlete e Lucas, onde começamos a vislumbrar outros horizontes jamais imaginados ou percebidos, sinalizados pela individualidade Dr. Carlos.

Paralelamente um grupo de seres dirigia-se mensalmente a Presidente Prudente para as “aulas do Dr. Carlos”, em um ônibus fretado. Em um determinado dia ele disse:

“Daqui eu vejo uma árvore, debaixo dela cabem dois evangelizadores e seis evangelizandos.”

Essa frase despertou mais uma etapa do compromisso e chegando a Bauru iniciamos – Cleide, Iracema, Juvelena, Natacha, Silvia, Tadeu, Tom, Vera, Wanderley - a Evangelização de Espíritos, na favela do Jardim Europa, debaixo de uma árvore, na casa da Sueli. Ali reuníamos as crianças e as mães, cantávamos, desenvolvíamos algumas atividades, aplicávamos passes, quando julgávamos necessário e lanchávamos todos juntos, aos sábados pela manhã, em meio aos cães sarnentos, dentro daquilo que acreditávamos ser a Evangelização de Espíritos.

Que ilusão!

Às vezes, andávamos em meio ao barro, mas nunca apanhamos chuva. Ela veio no primeiro sábado em que transferimos a Evangelização para a “casinha”, nosso primeiro endereço. Mas isso tem outro começo.

Descrever a formação do que hoje constitui o Núcleo de Aprendizagem de Bauru, é como tecer uma colcha de retalhos. A maioria dos que constituíram inicialmente o grupo eram dissidentes de algum centro espírita, além do que, a maioria veio de outras cidades, e até mesmo de estados diferentes. Esse grupo deu trabalho para se reunir!

Poderíamos dizer que iniciamos com um grupo de nômades, mas avaliamos, hoje, que aconteceu uma atração natural de seres já saturados, cansados, irritadiços, com dificuldade de convivência, mas na procura de algo ainda invisível para cada um. E, se a necessidade de aprender a conviver era notória, também era evidente uma capacidade de realização, de trabalho e de continuidade.

Bem, com esses ingredientes começamos… A partir daí, dá para imaginar como nossa história foi transcorrendo até os dias de hoje: muitas desestabilizações, trabalho e muita, mas muita disposição em continuar.

Vamos começar com a primeira reunião, mais concreta, para se criar um local onde a Educação para o despertar da consciência seria o objetivo (isso mesmo, esse termo escrevemos em 2005 - mal sabíamos o que nos esperava…), utilizando-se a Doutrina Espírita como base fundamental em nossos estudos.

Essa reunião ocorreu em 20 de fevereiro de 2005, em Bauru, na residência de Luiz e Claudia Carvalho, também com a presença de Ester Maia e Cida Zopone. Uma ata foi elaborada no dia e o objetivo nela destacado, foi o de fortalecer o grupo nascente e dar condições de agregar outros indivíduos, que comungassem as mesmas necessidades. Duas deliberações imediatas foram decididas dessa primeira reunião: a de alugar um imóvel para a instalação física, e o levantamento de possíveis nomes para a Associação.

Enquanto o local não era viabilizado, nas dependências do Centro Espírita Luz Divina, onde ocorriam na época nossas reuniões, o nome Casa de Maria foi materializado.

Em 18 de março de 2005, data considerada de fundação, o grupo nascente passou a reunir-se à Rua Armando Azevedo, nº 1-64, na Vila Santa Clara e em 05 de dezembro do mesmo ano realizou-se a Primeira Assembléia Geral Ordinária, com a finalidade de aprovação do nome da Entidade, de seu estatuto social e eleição da primeira Diretoria.

O nome aprovado foi Associação Espírita Casa de Maria e sua primeira diretoria eleita para mandato de três anos, a iniciar-se em 1º de janeiro de 2006.

Assinaram a Ata os associados fundadores: Ana Cristina Galdino Motta, Ana Rosa Guedes Deak Vanini, Cláudia Lourenço de Carvalho (Secretária), Cleide Mara Vilas Boas Rosa, Elisabeth Maria Caires, Iracema Dias Coelho, Juvelena Couto Nagatomo, Luiz Eduardo Pinto de Carvalho (Presidente), Maria Aparecida Jundi Zopone (Tesoureira), Maria Ester Maia (Vice-Presidente), Miriam Borro Graziani Jorge, Silvia Aparecida Rapozo, Sonia Mara Pereira Ferreira, Umberto Jorge Filho, e Wanderley Rosa (Diretor de Patrimônio).

Iniciamos as atividades com um grupo de aproximadamente 25 pessoas e, ao trazermos as crianças e mães da favela Jardim Europa para as dependências da Casa de Maria, materializamos a nossa Oficina de Evangelização.

Várias atividades foram desenvolvidas naquele pequeno espaço: o Estudo do Evangelho diário, aos moldes do estabelecido por Eurípedes Barsanulfo em Sacramento há mais de 100 anos; a Evangelização de Espíritos, aos sábados, com a presença das mães e crianças da favela Jardim Europa; o estudo do livro “Memórias de um Suicida”; o desenvolvimento mediúnico e a presença da Equipe de Amor à Luz, através das visitas mensais de Marlete e Lucas, que iniciaram em maio de 2005 e continuam até os dias de hoje.

Os primeiros temas abordados foram “medo, mágoa e inveja”, para apenas 24 participantes, que era o que cabia na sala, desde que o Dr. Carlos mantivesse a médium em pé.

Como seres dinâmicos na realização, com apenas três meses de fundação, convidamos Marlete e Lucas para comporem nosso primeiro Encontro. Eles aceitaram, contanto que realizássemos o trabalho em conjunto. Assim, em novembro de 2005, realizamos o 1º Encontro de Evangelização de Espíritos de Bauru – “Aprendendo a Conviver”, com a participação preponderante da Marlete, do Lucas, do Luiz e da Claudia Carvalho, como palestrantes.

O tema “Aprendendo a Conviver” refletia não apenas os estudos realizados naquele ano, mas uma necessidade premente de todos. Também abordamos o assunto “Espiritismo, Educação e Evangelização”. Terminamos o ano de 2005 e o sentimento era de que estávamos no caminho certo. Grupo motivado, trabalhador, ampliando as atividades, agrupando mais seres… Isso era só o começo. Quanta água rolou por debaixo da ponte!

Logo no início do ano de 2006 sentimos a necessidade de ter um local próprio, onde pudéssemos dispor de um espaço físico mais compatível com nossas atividades. Em janeiro, um empresário da cidade, que havia se sensibilizado pelas atividades de evangelização com as crianças, jovens e adultos carentes, comprometeu-se a adquirir um terreno e construir nossa futura sede.

Um fato pitoresco: em conversa com um membro da EAL pedimos uma dica sobre a localização desse terreno e ele simplesmente nos disse: “além de tudo querem que eu seja corretor de imóveis…”. Não deve ser nada fácil lidar com crianças, não é?

Nesse mesmo dia, Luiz e Claudia saíram à procura de um terreno. Contam esses companheiros que, ao encontrá-lo, não tiveram dúvidas de que lá seria o local da futura sede, tamanha a emoção que tocava suas fibras mais íntimas. Claudia relata: “me senti atravessando um Portal”, e Luiz já tinha a planta do prédio desenhada em sua mente.

Em fevereiro de 2006 o grupo todo visitou pela primeira vez o terreno e tivemos a manifestação do espírito Joaquim. Na ocasião, contou que a Casa de Maria já se achava no etéreo daquele espaço há mais de 100 anos. Alertou-nos que nossa proposta era Educativa e não filantrópica e caritativa, pois para essas ações muitas instituições já estavam constituídas.

Em pouco tempo o nosso primeiro espaço tornou-se insuficiente e, em março de 2006, a Casa de Maria instalou-se em novo endereço alugado: Rua Orlando Cardoso, 3-72, Vila Mariana. O espaço maior foi o estímulo para atrair um maior número de interessados.

A mudança para o endereço maior, com um enorme terreno ao lado e a construção iniciada da futura sede própria, deu um novo gás para as nossas atividades. Nesse local iniciamos as primeiras movimentações conhecidas como Terapia em Grupo e que hoje se desenvolvem como Sessão de Inteligência Mediúnica.

No decorrer deste ano, 2006, desenvolvemos a temática da “Obediência e Resignação”, que exigiu intensos esforços de cada um de nós, na melhor compreensão da Vida que Somos. Claro que nos deparamos com todos os nossos caprichos.

Assim, o grupo cresceu e se consolidou e o entendimento do real objetivo da Casa de Maria se aclarou: “Revelar para seus trabalhadores seu verdadeiro estado moral”.

No desdobramento da temática nos propusemos a estudar a vida de Maria de Nazaré. Foram momentos intensos, que nos sensibilizaram profundamente e nos impuseram os mais sérios questionamentos sobre nossos compromissos nesta Casa e conosco mesmo.

Em julho de 2006, repentinamente, desencarnou Ester Maia, uma das fundadoras da Casa de Maria, grande motivadora dos primeiros tempos. Esse fato ocorreu quando estávamos em um dos Encontros semestrais promovidos pela então Associação Espírita de Caminheiros em Busca da Paz, hoje, Núcleo de Aprendizagem de Presidente Prudente. Deixamos registrado aqui nossa gratidão por ter iniciado, com sua coragem e determinação, um caminho para que outros pudessem percorrer.

Em novembro de 2006 a conclusão de nossos estudos culminou no Segundo Encontro de Evangelização de Espíritos de Bauru, com o tema “Obediência e Resignação”. Contamos novamente com a participação da MarleteW. Santos Moreira e Lucas da Costa Silva na exposição do evento e pudemos experimentar uma habilidade comum nos aprendizes da Casa de Maria. Encenamos o teatro “Maria de Nazaré, exemplo de Obediência e Resignação”, com o lema “Sozinhos somos como ramos secos, mas juntos formamos um feixe inquebrantável”.

Na constatação de que desconhecemos os sentimentos que trazemos para serem trabalhados, a Espiritualidade nos propôs como tema de estudo para 2007, “Flexibilização dos Sentimentos – Um Programa para Amar”.

Em muitos momentos, de ânimo abatido, fomos visitados pela tentadora ideia de abandonar tudo e retornar às nossas ilusões sobre nós mesmos, sustentados pela crença orgulhosa de que éramos bons. A revelação do nosso perfil moral consagrou-se como um momento muito especial para nós, trabalhadores da Casa de Maria. Foi o início da Libertação de nossas consciências.

Durante esse ano desenvolvemos o estudo do livro: Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, psicografado por Francisco Cândido Xavier.

Chegou novembro de 2007 e apresentamos o terceiro encontro, agora denominado Encontro de Educação Cristã, de Bauru. Dessa vez um pouco de autonomia conquistamos e não foi necessária a participação ativa de Marlete e Lucas na exposição da temática no evento. Nossa veia artística recheou o evento com várias esquetes, e um momento marcante e emocionante foi a apresentação da peça teatral “Brasil, coração do mundo”, onde todos os integrantes da Casa de Maria, aproximadamente 40 essencialidades, trabalharam, em uma apresentação monumental e inesquecível.

Com a nova sede sendo construída, optamos por não programar um encontro para o final de 2008, mas sim para julho de 2009, concomitante à inauguração de nossa sede própria na Rua Carlo Del Plete, 14-25, Jardim Europa.

Cabe aqui nosso reconhecimento pelos esforços incansáveis da Aparecida Zopone, carinhosamente chamada pela Equipe de Amor à Luz - EAL de “Carro Chefe” pela sua habilidade realizadora. Certa feita ouvimos da EAL que ela era Paulo de Tarso, o apóstolo, de saias, na alusão de sua grande vontade e obstinação. Esse prédio recebeu os contornos oferecidos pela EAL em uma composição mediúnica, e tanto um salão amplo como várias salas foram os estímulos dados para que caminhássemos, hoje, para o estabelecimento de um Núcleo de Aprendizagem, pois sua estruturação física já lembrava uma escola. Vale uma imagem marcante: a Cida Zopone foi quem colocou o primeiro tijolo da obra.

O tema para aquele período foi “O Indivíduo e sua Obra”, com o subtema “A Criança e seus Esconderijos Psíquicos”.

O estudo foi intenso, nos dividimos em grupos e, ao final cada um dos grupos elaborou uma parte do Encontro. Foram dois dias de apresentações, de estudos e muitas apresentações artísticas.

Paralelamente ao movimento estabelecido em Bauru, outros eram realizados em outras cidades, sempre com a Associação de Caminheiros de Presidente Prudente como célula expansora e propulsora.

Movimentos isolados e desarticulados começaram a ganhar contornos mais definidos a partir de uma reunião, entre as Escolas do Espírito, em setembro de 2009, na cidade de Mirante do Paranapanema, quando definitivamente adentramos um processo de organização com a formação de duas comissões: Gestora e Organizadora, para iniciar um processo de gestão e representação das escolas em torno de uma só ideia: o Autoconhecimento!

Essas comissões posteriormente constituíram a Comissão Gestora do Projeto Tempo de Ser.

Mas isso todo mundo já sabe…

Nosso último Estatuto foi aprovado em Assembléia Geral Extraordinária, realizada no dia 31 de maio de 2010, e está em fase de reformulação para adequação às Diretrizes da Comissão Gestora do Projeto Tempo de Ser.

Em 10 de novembro de 2010 foram reconhecidos os membros da nova estrutura administrativa que passou a ser denominada Equipe Gestora do Núcleo de Aprendizagem de Bauru:

Conselho Deliberativo • Cleide Mara Vilas Boas Rosa • Iracema Dias Coelho • Wanderley Rosa
Conselho Diretor
• Ana Lúcia L. Rodrigues
• Silvia Aparecida Rapozo
• Tadeu Luciano S. Saravalli
Conselho de Comunicação
• Aparecida de Fátima Simões
• Vera Lucia M. L. Hamer
Conselho Executivo
• Contabilidade/Financeiro – Ana Rosa Deák Vanini
• Jurídico/Patrimonial – Umberto Jorge Filho
• Tecnologia da Informação – David Lucas Desidério
• Irradiação – Ana Cristina Galdino Motta e Cláudia Andrade Peres
Equipes
• Pedagógica – Terezinha Dulce Santos Silva
• Fluido Vital - Rosane Mendes Cardoso
• Higiene e Limpeza - Maria Angélica Moratto • Artes - Maria Helena Melchiades da Silva

De Associação Espírita Casa de Maria, desenvolvendo a Evangelização de Espíritos, evoluímos para Escola do Espírito Casa de Maria e hoje constituímos o Núcleo de Aprendizagem de Bauru, integrante do Projeto Tempo de Ser – Educação de Essencialidades.

Hoje, com muito carinho e respeito escrevemos as palavras acima, que sabemos representar infimamente o que cada um de nós passou e superou. E, ao término desse artigo reconhecemos o quanto a EAL tem nos sido importante nessa jornada de autoconhecimento. Jornada essa exigente, pois, crescer não é nada fácil!

A cada um que por aqui passou e se estabeleceu na convivência exigente do dia a dia, fica a gratidão pela perseverança e disposição de superação de momentos onde, por vezes, o que imperou foi o desejo de isolamento e até retornar a ilusão que antes nos envolvia cegamente, mas o compromisso maior consigo mesmo fala mais alto e nos impulsiona adiante.

Grato, por você!

Materializado por:
Cleide Vilas Boas Rosa
Iracema Dias Coelho e
Luiz Eduardo Pinto de Carvalho

Para escrever sobre essa pequena parte da história, onde muitos amigos foram os construtores, é importante explicar como estruturávamos nossas atividades.

No início de cada ano, escolhíamos um tema a ser trabalhado em todas as atividades a serem realizadas, com o compromisso de apresentarmos, ao final de cada ano um encontro onde eram apresentados os resultados obtidos pelos Educadores que participaram das atividades naquele ano.

Como resultado dos estudos e dinâmicas realizados, com um tema definido, um encontro era organizado para um público de geralmente 200 participantes.

Nesses encontros um material teórico era apresentado, uma apostila elaborada, apresentações artísticas (músicas, artesanatos, esquetes e, como não poderia faltar, sempre havia uma peça teatral, evidenciando o potencial artístico de todos do grupo.

Com essa estrutura de um encontro anual, com tema definido para cada um deles, produzimos um farto material, que vamos apresentar logo abaixo, permitindo um local para pesquisa, arquivamento seguro e a garantia de registro de nossa história,

Ao todo produzimos 4 encontros (2005, 2006, 2007 e 2009), com respectivas apresentações teóricas, artísticas e muita convivência entre todos.

Muitas características se evidenciam nesse grupo: empenho, dedicação, criatividade, participatividade, companheirismo.

Todos passamos, uma vez ou outra, por momentos difíceis. Alguns acharam por bem parar, mas a grande maioria que iniciou suas atividades em 18 de março de 2005 se mantém até os dias de hoje. Outros tantos foram se agregando e hoje, fevereiro de 2013, formamos um grupo de aproximadamente 50 indivíduos, na busca do autoconhecimento e autoconsciência.

De nossos trabalhos de 2005, até os dias de hoje, uma nova estrutura foi se formando: o Projeto Tempo de Ser, com o objetivo de implantar a Educação de Essencialidades. Hoje, nosso maior objetivo é alcançar a autonomia em todos os seus aspectos (fisiológico e emocional).

Venha conosco e conheça, ou relembre, um pouco de nossa história, que vamos dividir, didaticamente por ano, com seu respectivo tema desenvolvido:

2005 - Tema: "Aprendendo a Conviver"

2006 - Tema: "Obediência e Resignação"

2007 - Tema: "Flexibilização dos Sentimentos, um Programa para Amar"

2008 e 2009 - Tema: "O Indivíduo e sua Obra - a Criança e seus Esconderijos Psíquicos"